Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Diva do Sofá

Porque gostamos de ver filmes e séries, mas quer em casa, quer no cinema o importante é estarmos bem instalados.

The Rain

14.05.18 | A Diva do Sofá

The Rain.png

 

Ora bem, The rain… Pois é verdade, como este fim-de-semana tive de fazer uma pausa do meu jogo de computador favorito, aproveitei para ver esta série de televisão dinamarquesa em cenário pós-apocalíptico (para variar um bocadinho).

 

Para começar devo-vos dizer que as críticas na IMDB são uma catástrofe e vai para ali um destilar de veneno contra a série, que se a maior parte deles mordesse a língua caíam durinhos no chão e sem direito a desfibrilhador… até porque seria um desperdício de baterias.

 

Pessoalmente, não tenho nada contra a série. Achei-a interessante e gostei bastante do que vi. Penso que há espaço para a história melhorar e – se lhe for dada oportunidade – para as personagens se desenvolverem. Ao contrário do que muitos críticos apontam, acho que o desempenho dos actores está bastante razoável e todo o cenário está bastante bom. Não tenho nada contra o facto de serem jovens actores (o que para muitos críticos parece ser um problema) e muito menos contra o facto de ser uma série cuja língua é o dinamarquês (que é lixado à brava caso não saibam e tem um som um bocadinho estranho).

 

É verdade esta história pós-apocalíptica é uma espécie de um “vamos baralhar e voltar a dar” de uma série de outras histórias. Confere, mas se andamos a reinventar contos de fada há mais de 500 anos, não estou a ver por que razão não se podem reinventar as mais de 1500 maneiras de se acabar com o mundo… pelo menos é melhor do que andar, 9 temporadas, à paulada aos mortos que teimam em não ficar quietos (e que aliás já deviam ter direito a um sindicato), sem qualquer tipo de objectivo na vida.

 

Também não é muito boa onda comparar esta série com A Casa de Papel (como também já vi fazerem) ... Eu bem sei que é uma tentação e compreendo que a Casa de Papel pode parecer uma tragédia pós-apocalíptica (e por isso é que ainda não falei nela, que é para não destruir corações nem inspirar o ódio na populaça), mas ainda assim trata-se de um género um bocadinho diferente… digo eu... mas eu não percebo nada disto, eu só vejo estas cenas e ou gosto ou não gosto, não estou para aqui com considerações altamente intelectuais… quer dizer, depende dos dias. Às vezes posso estar mais virada para esse lado.

 

Resumindo, a primeira temporada desta série, da Netflix, tem 8 episódios e vê-se bem. Não vão ver nada de excepcionalmente brilhante, mas é uma série que até está engraçada e que eu espero – contra tudo e contra todos - que regresse para uma 2ª temporada.

 

 

The Rain (2018) on IMDb