Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Diva do Sofá

Porque gostamos de ver filmes e séries, mas quer em casa, quer no cinema o importante é estarmos bem instalados.

A Diva do Sofá

Porque gostamos de ver filmes e séries, mas quer em casa, quer no cinema o importante é estarmos bem instalados.

Porque gostamos de ver filmes e séries sempre bem instalados.

E também tenho estado a ver - You (a.k.a Tu)

DDS_blogue.jpg

Pois é verdade, também tenho estado a ver esta série que não é mais do que o típico boy meets girl and then shit happens, mas com um twist interessante porque o enredo é contado na perspectiva de um psicopata. Então, mas porque é que só agora é que estou a falar nisto? A razão é simples, porque - por sinal - o mulherio anda todo caídinho pela personagem principal que é o Joe Goldberg, interpretado pelo actor Penn Bagdley. 

 

Ora bem... pessoal do sexo feminino... tenham algum tino nesse conjunto de ervilhas a que chamam cérebro. O actor interpreta bem o personagem, mas o personagem é um psicopata e por norma todas as perturbações da mente que terminam em "pata", não são boa onda por muito romantizadas que possam parecer. Não se tratando de um filme de terror, o primeiro episódio desta série deixou-me arrepiada não pelo facto da criatura principal ser um bocado perturbada, mas pela retratação do objecto do seu interesse que é a Beck (interpretada pela actriz Elizabeth Lail). A Beck, não é ninguém e é toda gente. Representa apenas uma cidadã anónima, livre e despreocupada, que coloca a sua vida nas redes sociais e a partir do momento em que entra numa livraria torna-se em algo apetecível para alguém que tem uns probleminhas. A partir daqui começa a dança do cerco, que mais dissimulado menos dissimulado, mais romântico menos romântico não deixa de ser um cerco que se vai apertando em torno do objecto.

 

No fundo o que esta série explora é uma relação entre um predador e uma presa, sendo que a diferença entre esta e um documentário da BBC sobre vida selvagem é, acima de tudo, o facto de que os intervenientes têm 2 patas em vez de 4. É no entanto, uma série interessante quando se olha criticamente para os aspectos nela retratados, mas não é - definitivamente - uma história de amor que vá terminar bem (ainda que eu não tenha visto todos os episódios da 1ª temporada)... a não ser que comecem a abardinar a história toda por causa da pressão das audiências. 

 

Pronto, esta é a minha opinião, mas vale a pena formarem a vossa. 

 

You (2018– ) on IMDb

Pesquisar

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub