Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Diva do Sofá

Porque a vida em tons de cor-de-rosa é tão gira que devíamos atropelá-la com um camião TIR.

A Diva do Sofá

Porque a vida em tons de cor-de-rosa é tão gira que devíamos atropelá-la com um camião TIR.

O poder da voz de Alissa

alissa-white-gluz-wallpaper.jpg

 Chama-se Alissa White-Gluz, é canadiana e - na minha opinião - atualmente a melhor artista vocal feminina no universo musical do Death Metal, que em 2014 sucedeu a Angela Gossow como vocalista dos Arch Enemy. 

 

Não, geralmente, não gosto de música pop nem nutro nenhum tipo de simpatia pelos hits do momento. Muito pelo contrário, considero-os aborrecidos e estão para a música como o MacDonalds está para a alimentação, é junk. Na generalidade dos casos, são apenas produtos engenhados em laboratório com um prazo de validade extraordinariamente curto que fazem duas ou três temporadas (alguns nem isso), e depois vão para o lixo. São apenas um negócio temporariamente rentável e rapidamente descartável, baseados em paixões éfemeras de um público altamente volátil. Logo, não são importantes e este é o principal motivo pelo qual simpatizo, muito mais, com as manifestações de talento musical (e não só) em subculturas.

 

Neste caso em concreto, nunca esquecendo que a Angela Gossow é e será sempre A Angela Gossow (dona de uma voz poderosissíma e da qual eu serei sempre uma fã incondicional), a voz da Alissa White-Gluz põe muitos cantores masculinos, deste género musical, a um cantinho bem refundido como aliás se pode verificar abaixo no video War Eternal.

 

 Para quem gosta de ouvir Arch Enemy, temos que admitir que em nada fica atrás da anterior vocalista nem em termos vocais de death metal e em termos de death growl . É um pouco diferente, é verdade, mas está lá e nem todas as artistas femininas têm este alcance vocal... e em bom rigor, nem muitos artistas masculinos.  

 

 

 A força por detrás destas cordas vocais é algo absolutamente fabuloso, poderoso, impressionante, potente e sem dúvida agressivo. Precisávamos de mais mulheres assim.

   

Diva photo text1046322796.gif

Desafios de 2017 - Anorexia

DDS_john-dancy.jpg

 No final de 2016 propuseram-me um desafio sobre o qual não é muito fácil de escrever pelos mais variados motivos, desde logo porque implica ter de partilhar uma experiência pessoal. No entanto, presumo que seja exactamente por isso que se trata de um desafio e é, exactamente, devido à minha experiência com a coisa que me propuseram escrever sobre isso.

 

Qual é então a temática em questão?

 

Ora bem, o tema em causa está debaixo do nariz de toda gente, afeta ambos os géneros e ninguém fala nisso. Ou melhor, são muito poucos os que se debruçam sobre esta matéria e blogues pessoais, praticamente, não há. O tema é a Anorexia Nervosa, ou versão curta da coisa: Anorexia.

 

Vamos então começar pelo básico. A definição de anorexia, na minha óptica, é uma perturbação do comportamento alimentar que se caracteriza por uma vontade absoluta de ser magro, um medo aterrador de ganhar peso e faça-se o que se fizer, quando olhamos para o espelho vamos ver personagem do outro lado sempre gorda. Mesmo quando vemos os ossinhos todos salientes. Quem lida com isto todos os dias sabe que é assim e não há nada que se possa dizer, ou fazer, que nos faça mudar de opinião.

 

Eu e a anorexia somos velhas amigas. Conhecemo-nos quando eu tinha 16 anos, quando cheguei aos 20 éramos inseparáveis e depois apanhei um susto gigantesco que me fez pôr um certo travão nesta amizade obsessiva e pouco saudável mas, continuamos amigas até aos dias de hoje. É um bom exemplo de uma amizade de longa duração, mesmo que tenha momentos muito pouco saudáveis. Sim, porque estes momentos continuam a existir, não têm é a mesma intensidade que tinham e ao longo do tempo também fui coleccionando alguns mecanismos de defesa que me permitem gerir um bocado melhor situações passíveis de me causarem maior ansiedade.

 

Todavia, deixem-me dar-vos uma dica importante; o corpo é apenas uma das partes da coisa. Não é a coisa toda. Não vos vai servir de nada tentar restaurar o corpo se a cabeça não acompanhar o processo. Uma coisa não funciona sem a outra.        

 

Mas, vamos falando sobre isto aos poucos. Afinal, tenho mais 364 dias para falar sobre esta temática.

 

 

 

Diva photo text1046322796.gif

Pesquisar

 

Da mesma Autora

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

A Diva no Facebook


A Diva no Twitter

Bloglovin

Follow

Mensagens

Outros

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Divas que andam por aí

IP Address
Unique Hits